Programa Moçambicano do Pé Boto – PMP

O Programa Moçambicano do Pé boto (PMP), foi estabelecido no país em 2013, numa parceria entre CURE International, o Ministério da Saúde e o MIHER com os seguintes objectivos principais: (1) criar condições nas Unidades Sanitárias que permitam o tratamento  efectivo, acessível e apropriado à todas crianças nascidas com o Pé Boto; (2) oferecer formação aos profissionais de saúde e trabalhadores comunitários de saúde, de modo a que os casos de Pé Boto em crianças de tenra idade, sejam identificados e tratados adequadamente, com vista a eliminação do Pé Boto como causa de deficiência permanente em Moçambique.

Pé Boto é uma deficiência física congénita, comum em todo o mundo, mas com maior incidência em Países em Vias de Desenvolvimento, ocorrendo entre  1 a 3 em cada 1000 nascimentos.

Para a grande maioria dos casos não há nenhuma causa conhecida, embora as causas genéticas e ambientais parecem estar ligadas. Milhões de adultos em África têm sido permanentemente incapacitadas com pé Boto porque o tratamento precoce de qualidade não estava disponível para eles durante a fase de infantil.

pé botoO pé Boto pode ser facilmente corrigido e acessível quando tratados dentro dos dois primeiros anos de vida. Uma criança nascida com Pé Boto em países desenvolvidos terão essa condição abordadas antes de ele ou ela darem os seus primeiros passos. Para as crianças de países em desenvolvimento com pouco ou nenhum acesso a cuidados médicos, esta condição cresce mais dolorosa e debilitante ao longo do tempo que a criança é obrigada a andar em seus tornozelos. Aqueles com o Pé Boto negligenciado também sofrem estigma social – eles são comummente escarnecidos, ignorados ou isolados da família e da comunidade em que vivem. Quando a criança atinge a idade adulta, a oportunidade de corrigir a condição sem extensa, cara e dolorosa cirurgia esta perdida.

A visão da Cure é aumentar a capacidade de tratamento do Pé Boto nos países em desenvolvimento, estabelecendo programas nacionais de tratamento do Pé Boto com vista a que o tratamento precoce da condição seja acessível para cada criança que nasce com Pé Boto nesses países, de modo que o pé Boto seja eliminado como uma incapacidade permanente. Prevê-se que a eliminação da deficiência, por sua vez, vai afectar de forma significativa as áreas de saúde, educação, inclusão social e capacitação aos níveis individual, familiar e comunitário.

Intervenção precoce para crianças com Pé Boto: O método de Ponseti

O Método Ponseti para tratamento do pé torto é aceite pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a Academia Americana de Pediatria e Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos como o padrão para o tratamento do Pé Boto. Isto é baseada em evidências, com um 90 – de 95% taxa de sucesso demonstrada através da pesquisa longitudinal realizado ao longo de 50 anos na Universidade de Iowa. Também tem sido mostrado ter a recorrência menos severa, quando comparada com intervenções cirúrgicas. Numa pesquisa recente sobre o tratamento do Pé Boto nos EUA, os pais identificaram o método Ponseti como opção de tratamento preferido.

O Método Ponseti usa uma série de moldes de gesso mais durante 4 a 6 semanas para corrigir a deformidade, imediatamente seguido por uso de cintas pé de abdução, usado 23 horas por dia durante 3 meses e, em seguida, usado apenas à noite durante 4 anos, para evitar a recorrência. Algumas crianças podem necessitar de um pequeno corte no tendão na parte de trás do calcanhar antes do gesso final ser aplicado, feito com anestesia local. Este método é ideal para os países em desenvolvimento porque é barato e pode ser realizado por pessoal paramédico treinado para além de médicos.

Financiadores:

logo cure

Artigos Relacionados

Por uma Sociedade livre do Pé Boto

Dr. Bernabé Deausse dá uma visão geral do Programa Moçambicano do Pé Boto